Make your own free website on Tripod.com
The Martini Diaries

Sábado, Novembro 24, 2001

Quarta-feira, Novembro 07, 2001


Três bons lugares para tomar um Dry Martini em São Paulo:

Spot - na Min. Rocha Azevedo - o lugar é descolado, as pessoas são no mínimo interessantes, os garçons e garçonetes e barmen são jovens, espertos e solicitos, e, é claro, o drink é muito bem preparado, com ingredientes de primeira.

Piratininga - na Vila Madalena - meu bar preferido, de longe, na cidade. Intimista, jazz ao vivo e bebidas muito caprichadas. Peca na comida, mas se eu quiser comer, vou a um restaurante e não a um bar...

Bar des Arts - sábado à tarde, nas mesinhas do pátio, é incomparável. Serviço impecável, bebida e comida idem. O único problema até hoje foram taças de acrílico na última vez que tomei um clericot (não se pode ter tudo nesta vida).

É isso aí.


Faça aqui seu brinde.


Terça-feira, Novembro 06, 2001


Reflexão de fim de tarde: Lembra-se de quando era criança, e usava o mesmo tênis, todos os dias, havia já um ano? Então, um belo dia, você passou em frente a uma vitrine e apaixonou-se por um tênis novo e seus pais finalmente compraram o tal tênis; chegou em casa, experimentou o tênis novo e adorou, mas não conseguia abrir mão do antigo. Repare na situação: o novo era obviamente melhor e você o queria a todo custo; o velho já não dava mais conta do recado, estava meio encostado, mas por costume e um certo apego você não o jogava fora de jeito nenhum.
No final, seus pais vinham e lhe diziam: "Ou você fica com o novo, ou com o velho; com os dois não pode!"

Pois é, tem gente que continua assim, a vida inteira, em relação a tudo (não, não é auto-referência...).

Triste; e é por isso que eu bebo...


Faça aqui seu brinde.


Segunda-feira, Novembro 05, 2001



O Dry Martini, propriamente dito:

Não seria justo não publicar logo nos primeiros dias a receita para o coquetel mais pedido no mundo, o Dry Martini:

6 partes de gim (meus preferidos: Bombay, Tanqueray e Beefeater's; nessa ordem)
1 parte de vermute seco (Noilly Pratt é o melhor, sempre.)
1 azeitona, daquelas pequenas para coquetel. Eventualmente pode ser daquelas recheadas; eu não gosto.

Adicionar o vermute e depois o gim num copo com cubos de gelo e misturar bem. Derramar num copo de coquetel (como o da foto na página) previamente gelado.
Mergulhe a azeitona. Para sentir bem o gosto da azeitona, perfure-a algumas vezes com um palito antes de mergulhá-la no copo: ajuda.

Dica: não meça muito as bebidas. Conte com sua intuição (Luke, the force will always be with you...).

Enjoy!


Faça aqui seu brinde.


FabulaWeb


Em agradecimento ao meu caro amigo Américo, que se rasgou em elogios a este blog que ainda nem engatinha direito (mas calma! tudo em seu tempo.), publico aqui o link para o blog dele: FabulaWeb

e mais: adiciono no frame ao lado um link permanente pela ajuda prestada.


Américo, um brinde!




Faça aqui seu brinde.


Teoria: antes de toda reunião no trabalho, os participantes deveriam tomar, uns dez minutos antes, um bom dry martini para relaxar e evitar o blá-blá-blá inútil. Virtualmente, eu tomo o meu agora.

Saúde!




Faça aqui seu brinde.

Domingo, Novembro 04, 2001


Now we're talking. A personal favourite: 4 parts of Rye,
1 part of Dry Vermouth (make it Noilly Pratt, please)
1 part of Sweet Vermouth
dash Angostura bitters
a lemon twist (on a tooth pick if you will)

Prepare it like a regular Dry Martini and serve it in a chilled cocktail glass.



Faça aqui seu brinde.


Fact of life: as life moves forward, I lose faith in the things I hold dearest. The very fact that I consider something important seems to make it vanish before my eyes. Then all that's left is disbelief, and recklessness therefore. Depressive, I know; and it's not even May yet.


Faça aqui seu brinde.


Volta...

Counter